sábado, 23 de setembro de 2017

PRIMA...VERA!

Antonio Nunes de Souza*

Não gosto de contar minhas aventuras do tempo de menino, uma vez que acham logo que fui um garoto tarado e pernicioso. Mas, sinceramente, hoje com quarenta e um anos, bem casado, com filhos e feliz, sentado numa confortável cadeira na beira da piscina, pensando na chegada da estação das flores, me lembrei que muitos anos atrás, nós íamos passar as férias na fazenda do meu pai e, para minha felicidade, minha querida e saudosa prima Vera também ia, e ficava um mês como nossa hóspede. Eu devia ter uns 13 anos e ela, mas velha e experiente moradora da capital, uns dezoito anos. Praticamente, uma mulher, ainda mais que era dessas pessoas altas e corpo avantajado, dava até a impressão de ser mais velha. Não era lá essas belezas todas, mas bonita e simpática.

No primeiro ano, eu ainda meio inocente, ficava fascinado com as estórias que ela me contava, principalmente, as aventuras com os namorados, o que faziam, onde se pegavam e se alisavam, as vezes que ele botava seu membro em suas coxas e ela ficava com as pernas fechadas, indo para frente e para traz até os dois gozarem. Ela falava sem a menor vergonha, eu é que ficava todo escabreado, pois, para mim, aquilo tudo era uma novidade, que pensei só existia na cabeça dos meus tolos colegas de escola. Como só éramos nós dois, os adultos iam cuidar da fazenda, nós tínhamos todo dia para conversar, fazer aventuras nos matos e tomar banho numa deliciosa queda d’água de uns quatro metros de altura, formando uma gostosa piscina na parte baixa, proporcionando uns banhos inesquecíveis.

Muito embora ela como uma narradora sexual perfeita, eu me excitava e escondia para ela não notar. Eu era apenas um curioso ouvinte.
Até que um dia, fomos tomar banho na cachoeira, bem no fim da tarde e, nos seus mergulhos, começou a esfregar a sua linda e grande bunda em mim, fazendo eu ficar com o pau latejando mais que rabo de lagartixa quando é cortado!  Ela sagaz e safadinha, meteu a mão em meu short e garrou com vontade e começou a me masturbar, enfiando suas coxas em minha virilha. Pensei em mandar ela parar, pois fiquei assustado com a surpresa, imaginando que eu era apenas seu confidente e parente. Mas, sem demora, do jeito que ela era carinhosas e professora na arte, gozei logo, vendo o espermatozoide vir a tona e os pobrezinhos morrendo afogados. Ela me puxou, me deu um beijo na boca e disse, agora vc vai fazer comigo também. Disse isso com o maior sorriso sem a menor dose de pudor.
Fomos para uma pedra, onde a água era bem rasa, ela sentou, baixou o biquíni e falou, me mostrando como eu deveria fazer para que satisfizesse o seu prazer. Comecei a alisar, ela colocou meu dedo médio da mão direita em um determinado lugar que depois ela me disse que era seu clitóris, e comecei a massagear. Ela pediu que eu acelerasse mais, obedeci e, ela voltando a pegar em meu membro que já estava duro outra vez, baixou a boca e começou a fazer um boquete, que na época não tinha esse nome, era chupar mesmo. E não deu outra! Gozou ela tremendo de tesão e eu gozei pela segunda vez já em sua boca.
Eu morria de prazer e de vergonha. Que nem encarava ela de tão escabreado com o que estava fazendo. Mas, super feliz, pois tratava-se da maior e primeira sensação sexual de minha vida!
Continuamos durante o resto das férias, praticando as mais gostosas sacanagens, até com penetrações anais e vaginais. Eu, já compenetrando-me como se fosse um homem de verdade, quase toda hora a convidava para nossos divinos banhos.
Esperei o segundo ano, doido que chegasse as férias, mas, infelizmente, ela foi morar em Sampa e nunca mais soube notícias dela!

Hoje, a chegada da estação das flores, fez me lembrar com saudades da minha “querida prima...Vera!”


*Escritor-Membro da Academia Grapiúna de Letras-AGRAL-antoniodaagral26@hotmail.com-antoniomanteiga.blogspot.com



sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Cont. de "FUI AO SUS ME CURAR"!

Antonio Nunes de Souza*

Como trata-se de um depoimento de um gay e uma lésbica, é importante que se leia a primeira parte, para melhor compreensão da miraculosa história envolvendo o homossexualismo, hoje taxado pelo Juiz Federal Waldemar como uma doença, simplesmente curável!

Dia seguinte acordando cheio de expectativas, embora achando as drogas prescritas bem estranhas, comecei minha caminhada com afinco, pois, na verdade, gostaria de mudar minha linha sexual, mas, que fosse garantida a reversão, sem perigo de recaídas!
Uma hora depois, liguei para minha amiga que, exageradamente, já estava achando algum efeito dos medicamentos! Imaginei logo que me pareceu que o danado do juiz, entende mesmo de viadagem, e tinha descoberto algo que a ciência não tinha conseguido com centenas de anos de pesquisas, físicas e laboratoriais!

O fato é que continuamos obedecendo todas as instruções, nos dias e horas determinadas, minha amiga recebeu pelo Sedex dez ampolas de Picatol B12, para que fosse aplicada em suas nádegas, em dias alternados, assim como eu, que recebi também dez ampolas de Grelociclina D24 para que me aplicassem na veia. Obedecemos piamente mais essa indicação, pois, o importante era ver a cura realizada!
Nesse interim a televisão bombou com a notícia que uma equipe de cientistas chegou a conclusão que, realmente, o dr. Waldemar Cláudio de Carvalho tinha toda razão. No homossexualismo masculino detectamos um vírus que batizamos de CHIBUNGODIUM VIADORUM e no feminino capturamos uma perigosa bactéria que batizamos de SAPATODIUM ROÇARIUS e que, com essa descoberta, breve já teríamos uma vacina para ser aplicada, imediatamente, no nascimento da criança! Vejam vocês, o tal juiz tinha razão!
Ficamos felizes, mas, em todo Brasil e no mundo, foram milhares de passeatas GAYs protestando contra os cientistas e a tal vacina, pois, categoricamente, dar a bunda e colocar as aranhas para brigar, já tinha fé de oficio e, verdadeiramente, estavam quebrando a lei da liberdade: QUEM TEM O QUE É SEU, DÁ A QUEM QUER!

Nós não entramos nessa briga, terminamos nosso tratamento, começamos a namorar os dois durante a medicação, chegamos até transar algumas vezes e, curiosamente, me apaixonei pelas vaginas, assim como minha amiga que não largava meu pau, terminamos fazendo um casal perfeito.
Nos apresentamos no dia determinado, já com alianças de noivado, aos beijos e abraços que, até o médico ficou estupefato e feliz por ver o resultado do seu tratamento. Com isso, sendo o primeiro a me apresentar totalmente curado, ganhei o carro de presente, além de uma lua de Mel no Morro de S. Paulo patrocinado pela Revista Caras!
E olhe que tudo isso foi feito pelo SUS. Uma prova que o governo não se preocupa apenas de roubar. Interferem também em outras sacanagens!

*Escritor-Membro da Academia Grapiúna de Letras-AGRAL-antoniodaagral26@hotmail.com-antoniomanteiga.blogspot.com


quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Fui ao SUS me curar!

Antonio Nunes de Souza*

Sou muito feliz sendo gay, pois já estou com trinta anos, tenho meu bom emprego, arranjo meus bofes, mas me poupo de ter casos fixos. Posso me caracterizar como um “gay ficante”!
Porém, mesmo estando feliz com minha condição, já que esse tal de Dr. Waldemar, juiz federal, descobriu que o que temos é uma doença, resolvi me curar e ser o que a sociedade chama de normal.
Chamei uma amiga minha que foi contemporânea de escola, mesma idade e, desde a mesma época, era lésbica assumida, para que fôssemos nos curar, conforme a mídia estampava com o maior ruído!
Nos arrumamos, pegamos os documentos completos e partimos para o posto médico, onde estava indicado o atendimento para nossos casos!
-Queridos, vocês não imaginam a enorme fila e a quantidade de viados discretos, alegres, divertidos com trejeitos e, intercalando, umas bichas loucas, que duvido muito que tenha algum remédio para revertê-las!
Sem perder a classe, já que todo mundo ali rezava na mesma cartilha, entramos na fila e começamos nossa espera, aventurando resultados miraculosos!
Depois de duas horas chegou a nossa vez de atendimento. O funcionário, de tão fresco, parecia uma gazela, parece que escolheram de ponta de dedo tal figura!
-Estou as ordens. Passem os documentos para que faça o cadastramento e dar prosseguimento a campanha do programa governamental, intitulado: “EU ERA VIADO”. Com a premiação de um lindo carro importado para o primeiro GAY que fosse curado, comprovadamente. E este, ficaria recebendo um super salário para dar palestras semanais nas escolas.
Feitas as formalidades de praxe, recebemos uma autorização para ser atendidos pelos médicos especializados na área homossexual, com mestrados em Campinas-SP e doutorado em Pelotas no RS. Nos despedimos da boneca e fomos embora, já que nossa consulta estava marcada para o dia seguinte.
Sinceramente, eu estava eufórico e me imaginando na cama com uma mulher transando, pois isso faria meus pais morrerem de alegria.
Manhã seguinte, peguei o carro e fui buscar minha amiga. Seguimos e na hora exata marcada, foram chamados nossos nomes e números das senhas. Fomos diretos para o balcão, nos mandaram entrar em uma sala e nos sentamos em frente ao médico bastante sorridente e simpático.
-Vamos ser sinceros, francos e objetivos, pois nosso tempo é precioso e, quanto mais as coisas se acelerarem, mais dos seu colegas serão atendidos. Podem falar!
-Obrigado doutor, nosso caso é fazer, o mais rápido possível, nosso tratamento GAYOLÓGICO, inclusive já estou com vontade de ganhar a premiação, seguindo, rigorosamente, todas as instruções médicas!
-Excelente essa franqueza de vocês, pois já senti que o mesmo desejo é o de ambos. Vou, imediatamente aviar as receitas para que vocês já comecem ainda hoje o tratamento!
- Primeiro para o senhor: Ao acordar, lavar o rosto, com uma mistura de 90% de água limpa e 10% de mijo feminino. Antes do café da manhã um comprimido de Bucetil de oito em oito horas. Passar pomada de bucetoflex na glande e, de hora em hora cheirar Vick-xoxota evitando espirrar senão perde o efeito. A noite na hora de dormir, pegar a revista Playboy, abrir na página do centro e, olhando fixamente, bater duas punhetas pensando exclusivamente na modelo nua!
Depois da masturbação, fazer sexo com a boneca inflável que lhe forneceremos, mas, ato apenas com penetração vaginal.
-Depois de vinte dias, volte aqui nesse mesmo horário para uma primeira avaliação e verificarmos se será necessário aumentar as doses, ou minimizar. Um abraço e boa sorte senhor! E pode retirar os remédios na coordenação da farmácia agora mesmo!
-Quanto a senhora, deve ter ouvido e percebido que o tratamento é rigoroso, mas, conforme nossas experiências em ratos e macacos, os resultados são maravilhosos! Conheci e tratei de macacos que davam a bunda por um pedaço de banana, hoje estão fodendo a torto e a direita, nas macacas do zoológico. E não dão o chicote nem por um cacho de banana da terra. Verdadeiros garanhões!
-Para começar, assim como ele, lavar o rosto com as mesmas misturas, sendo que a parte da urina deve ser de homem. Escovar bem escovados os dentes com pasta Picolgate. Em seguida gargarejar com Rolicilina 69. No café da manhã, passar no pão em vez de manteiga, banha de Culhõespotina ou patê de de Roloflex. Nada de café preto. Usar gotas de Picarbonado que pode ser até o infantil que faz o mesmo efeito. Se preferir, pode substituir por Chá de Kacêta Africana!
-A noite já deitada, pegar uma revista masculina e bater uma siririca, sempre olhando o penes do modelo. Depois de um descanso de 10 minutos, enviar na vagina até o cabo, uma generosa rola que lhe será fornecida. Evitar contatos femininos, pois o lesbianismo é mais difícil a cura se o doente continuar no mesmo ambiente. Se a senhora vai para o trabalho de metrô ou de onibus, deixe que os caras encostem bem o pau em sua bunda, mexa disfarçadamente e, fechando os olhos, imagine aquele pau duro entrando em você.
Assim como ele, volte no mesmo dia e horário. Sejam felizes e lutem pelos seus ideais!

-Voltamos parq casa rindo e comentando o tratamento e, a noite, já com todos os medicamentos em mãos. Passamos a usar, rigorosamente, cheios de esperanças de bons resultados. Daqui a vinte dias estaremos voltando ao médico e, com certeza, detalharemos para vocês o resultado alcançado!
Um grande abraço e reze por nós!

*Escritor-Membro da Academia Grapiúna de Letras-AGRAL-antoniodaagral26@hotmail.com-antoniomanteiga.blogspot.com